Entre o sensacionalismo e a verdade: como são tratados os portadores de Lúpus em Casimiro de Abreu

0
642
Vídeo veiculado por página acabou tendo efeito reverso.

Um vídeo apócrifo, publicado com o intuito de descredenciar o secretário de Saúde Junior Dames, acabou por ter o efeito contrário em uma página no Facebook.  Durante um minuto, uma mensagem de voz, feita por uma mulher não identificada, critica a conduta do secretário em relação aos pacientes portadores de Lúpus, afirmando que os doentes são tratados “como doidos”. A falta de remédios também foi outra queixa presente na fala da senhora.

Assim que a postagem foi ao ar, diferentes pessoas portadoras de Lúpus em Casimiro de Abreu começaram a se pronunciar, desmentindo o conteúdo publicado. Segundo os depoimentos, a antiga administração nunca deu qualquer tipo de ajuda aos enfermos, desconhecendo, inclusive, a própria existência da patologia.

Por iniciativa de Junior Dames, um grupo de apoio aos doentes foi criado, com o intuito de conseguir, mesmo fora da alçada municipal, qualquer tipo de auxílio no combate ao Lúpus. Em um dos depoimentos, é lembrado que a compra da medicação mais cara é responsabilidade do estado e que, mesmo ciente disso, Dames vem buscando formas de obter os remédios necessários.

A tamanha discrepância entre a realidade e o conteúdo postado na página fez com que o dono se visse obrigado a fazer uma nova publicação mea culpa, mostrando o “outro lado” da história. No caso, o verdadeiro.

Sensacionalismo e irresponsabilidade

Um grupo criado de forma inédita no município, com mais de 20 pessoas, incluindo nutricionistas, dentistas, psicólogos e até reumatologistas, que há anos não trabalhavam em Casimiro, além da busca por medicação de responsabilidade estadual e da disponibilidade de auxílio 24h através do whatsapp. Tudo isso poderia perder seu valor, caso a postagem sensacionalista obtivesse sucesso em seu objetivo de desmoralizar a atuação da Secretaria de Saúde.

A quem serve essa propagação constante de ataques e informações desencontradas? Até quando Casimiro ficará submetida à lógica do “quanto pior, melhor”? Se não fosse o papel vigilante dos portadores de Lúpus nas redes sociais, todo o trabalho do grupo poderia ir por água abaixo em virtude da irresponsabilidade de uma página de fofocas.

Jornalismo real é apuração, busca por informações, procura por fontes diferentes e checagem do que foi dito. Uma simples ligação para o secretário resolveria a questão, mas parece que a verdade, quando não é de interesse de quem a descobre, pode ficar escondida, até que volte a “servir”.

Comentários